terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Cidadão poderá comprar até quatro armas, diz Bolsonaro



O presidente Jair Bolsonaro cumpriu uma das promessas de campanha dele nesta terça-feira (15), ao assinar o decreto que flexibiliza a compra e a posse de armas de fogo

Em seu discurso, no Palácio do Planalto, Bolsonaro destacou que o decreto "trata especificamente da posse da arma de fogo", ou seja, autorização para que ela permaneça dentro da casa ou local de trabalho do proprietário.

Sem citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que era o mandatário quando houve o referendo de 2005 sobre o desarmamento, Bolsonaro disse que "o governo à época buscou maneiras em decretos e portarias a negar-lhes esse direito [de possuir arma em casa]". "Na legislação anterior, se poderia comprar meia dúzia de armas, mas na prática, não poderia comprar nenhuma, ou então era muito difícil atingir esse objetivo. Com a legislação atual, pode-se comprar até quatro. E ele [interessado], preenchendo esses requisitos, cidadão de bem, com toda certeza, poderá fazer uso dessas armas."

Em casos comprovados, o interessado pode ainda requerer a compra de mais armas, a depender, segundo Bolsonaro, do número de propriedades que eventualmente possua.