PRESIDENTE DA PETROBRAS DIZ QUE EMPRESA NÃO SERÁ PRIVATIZADA E QUE NÃO HÁ INTERFERÊNCIA DO GOVERNO BOLSONARO NA GESTÃO

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta terça-feira (25), em entrevista à CNN, que nem o governo nem o Congresso são favoráveis a uma privatização da petrolífera estatal.

O executivo, no entanto, disse que é “conceitualmente” a favor. “Mas eu sou disciplinado. Não há disposição do governo e do Congresso em privatizar a Petrobras”, completou, entrevistado pelos âncoras Monalisa Perrone e Caio Junqueira e pela analista Thaís Herédia.

“O problema não é discutir se a Petrobras vai ser privatizada ou não. É transformar a empresa em uma empresa forte e saudável”, alegou, afirmando mirar em “poucos exemplos” de empresas públicas que considera bem sucedidas.

Para Castello Branco, um desses exemplos seria a Codelco, estatal chilena de cobre. Ele afirma que a lógica dessa companhia é a busca por lucros para o seu acionista assim como uma empresa privada, apenas com o diferencial desse acionista ser o estado chileno.

Entre os que são contrários à venda da Petrobras, um dos principais argumentos é que o fato de a empresa atuar no segmento de petróleo e recursos naturais a tornaria “estratégica”, logo, podendo servir a interesses do setor público. A posição do executivo, portanto, é fincada em outro princípio.

O presidente da Petrobras afirma que não há interferência de nenhum tipo do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na empresa.

“Na Petrobras, tenho tido bastante liberdade para comandar a companhia, de acordo com os princípios e as boas práticas de gestão. Não tenho tido nenhuma interferência do governo, pedidos para colocar fulano ou ciclano em tal cargo. Até a política de preços e derivados, que era um tabu. Nós temos sido livres para precificar de acordo com os preços internacionais, preços de mercado”, relatou.

Lei do Gás

Castello Branco defendeu a aprovação do projeto conhecido como Nova Lei do Gás, que pode ir à votação na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (26).

Pela proposta, empresas privadas não precisam mais vencer leilões para entrar no segmento, bastando apresentar projetos e aguardar a aprovação da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

CNN BRASIL

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.